Citologia

É a avaliação das características celulares como tipo celular, formato, disposição, quantidade, qualidade, entre outros e do fundo da lâmina, provenientes de lesão tumoral neoplásica ou não neoplásica, utilizando diferentes técnicas, como Punção Aspirativa por Agulha Fina (PAAF), Imprint, escarificação, sonda e Swab. Este exame é utilizado primariamente na metodologia diagnóstica pela sua característica de rápida resposta e por ser minimamente invasivo.

Formas de coleta?

A escolha da técnica para melhor coleta do material é de suma importância para a obtenção de amostras significativas para o diagnóstico. Destacam-se as suas especificidades:

A Punção Aspirativa por Agulha Fina (PAAF) pode ser utilizado de duas formas: por seringa de 10 ml acoplada na agulha ou somente com a agulha (capilaridade) com posterior conexão da mesma na seringa para desprezar o material na lâmina. Este tipo é escolhido normalmente para lesões nodulares; ulceradas; cruenta (capilaridade); infeccionada/exsudativa.
A técnica do Imprint deve ser escolhida preferencialmente nas lesões em mucosa pouco necrótica, não ulcerada ou com suspeita de neoplasma altamente esfoliativo, como exemplo, tumor venéreo transmissível.
Recomendada para lesões planas e secas, onde há a raspagem do tecido com a ponta da lâmina de vidro ou bisturi com posterior deposição do material na lâmina.
Escolhida para coleta, menos invasiva, de material em órgão oco, como por exemplo, lesões em bexiga.
Pode ser utilizada para coleta de lesões profundas em vias com comunicação externa, como, conduto auditivo, nasal e vaginal.

Citopatologia guiada por exames de imagem - Ultrassonografia/Tomografia

Caracteriza-se pela coleta de amostra citopatológica utilizando exame de imagem como guia. Este método é recomendado para lesão intracavitária ou de difícil e/ou restrito acesso não cirúrgico.

Envio do material

O envio do material deve seguir os seguintes procedimentos abaixo:

  1. Após a coleta, esperar alguns minutos para acondicionar o material no frasco de transporte (Figura 1A), ou separar uma lâmina da outra por fita hospitalar (esparadrapo) (Figura 1B).

    NÃO DEVE SER COLORADO UMA LÂMINA DIRETAMENTE SOBRE A OUTRA, POIS O MATERIAL SERÁ PRESSIONADO RESULTANDO NA DETRUIÇÃO DAS CÉLULAS IMPOSSIBILITANDO A ANÁLISE (FIGURA 2 C e D).

  2. Deverá conter a identificação completa do frasco/lâmina, com nome da clínica, nome do paciente e informações complementares que o veterinário julgue necessário;

  3. Deverá constar a requisição com preenchimento COMPLETO, contendo os dados do paciente, do proprietário, da clínica, o histórico completo, bem como foto da lesão, caso a tenha;

  4. Conter a identificação e descrição da quantidade de lesão a ser analisada.

    OBS:SOMENTE APÓS A REALIZAÇÃO DOS 3 (TRÊS) ITENS ANTERIORES, solicitar a remoção da amostra pelo laboratório;

seila

Figura 1 A e B) Frasco de transporte citológico (A). Método alternativo para envio citológico sem destruição celular (B).

Figura 2 C e D) Lâminas sobrepostas, resultando na compressão e destruição celular.

Benefício da técnica:

  • Minimamente invasiva;
  • Fácil logística;
  • Rápida obtenção de informação da lesão (24-48h);
  • Baixo custo;
  • Possibilidade de associação com demais exames complementares de imagem (ex: Ultrassonografia/Tomografia);
  • Em alguns casos fornece diagnóstico mais preciso que a histopatologia (ex: mastocitoma, tumor venéreo transmissível, pesquisa de leishamaniose).