Necropsia

Necropsia

Necropsia é a técnica que consiste no estudo e exame cuidadoso de todos os órgãos e coleta adequada de fragmentos para exames complementares, após a morte do animal a fim de auxiliar a determinar a causa da morte. O termo necropsia vem do grego necro (morte, morto ou cadáver) + psia (ação de ver ou examinar) e tem sido tradicionalmente usada para animais, porém de acordo com os conceitos atuais de One Health, o termo autópsia (comumente usada para medicina humana) também pode ser utilizado. Esse exame envolve processos como a dissecação, observação, interpretação e documentação, caracterizando possíveis lesões e sintetizando informações, para determinar a causa da morte do animal. É feita a análise macroscópica dos órgãos e coleta de materiais suplementares para diagnóstico histopatológico, microbiológico, toxicológico e/ou molecular, dependendo do caso, principalmente correlacionando o histórico e suspeita clínica.

Objetivo da necropsia

  • Confirmar, refutar, modificar ou estabelecer um diagnóstico;

  • Minimizar erros de diagnóstico;

  • Comparar sinais clínicos do animal enfermo, com lesões que não eram visíveis ou aparentes durante a vida;

  • Avaliar a eficácia da terapêutica impregnada;

  • Permite a coleta de material para exames complementares (histopatológico, citopatológico, toxicológico, virológico, bacteriológico, micológico, parasitológico, molecular entre outros);

  • Determinar alguma enfermidade infecciosa que possa contaminar outros animais e até o homem (zoonose) ou uma deficiência nutricional que possa ser corrigida evitando futuros óbitos;

  • Aliado ao histórico clínico completo, o patologista é capaz de auxiliar o clínico em casos simples, raros ou complexos. "Bons clínicos utilizam a necropsia para desvendar casos. Melhores clínicos a utilizam para aprender".

Microscopia demonstrando perda de vilosidades devido a intensa autólise.
Microscopia demonstrando perda de vilosidades devido a intensa autólise.

Importância da necropsia

Para o proprietário, o conhecimento da causa-mortis do animal, fecha um ciclo de luto e dúvida, aliviando a ansiedade e a dor do mesmo ao saber que não havia mais nada a ser feito, dependendo do caso. Com relação ao setor de produção animal, o diagnóstico de certas enfermidades pode auxiliar na tomada de ações curativas ou profiláticas para o restante do rebanho. Os achados de necropsia são fundamentais em casos de óbito de animais com potencial jurídico, podendo fornecer subsídios para a determinação ou refutação das suspeitas de negligência, imperícia ou imprudência. A realização da necropsia também é uma forma consistente de aprendizado contínuo para o profissional veterinário, não só em relação aos órgãos e sistemas, mas também aos processos patológicos e de resposta do organismo frente a determinados agentes etiológicos, tratamentos ou procedimentos clínico-cirúrgicos, por exemplo. Muitas vezes, a realização ou o simples acompanhamento do exame necroscópico pode auxiliar o veterinário na identificação de casos semelhantes no futuro, permitindo um diagnóstico rápido e preciso.

Autólise

A autólise é um sério problema para o diagnóstico, por isso a necropsia deve ser feita o mais breve possível após a morte do animal. Esse fenômeno mascara lesões ou induz o veterinário a interpretações errôneas.

Recomendamos que o cadáver seja encaminhado para o nosso laboratório o mais brevemente possível (minutos ou poucas horas após a morte) para que o mesmo seja refrigerado, minimizando as alterações post-mortem. No caso da impossibilidade de submissão do cadáver com a brevidade necessária, indica-se refrigerar imediatamente a temperatura entre 1 e 4ºC por um período entre 12 à 24 horas após a morte. Ressalta-se que o congelamento do cadáver a temperaturas abaixo de zero é extremamente prejudicial causando artefatos que impossibilitam exame anatomopatológico.